quarta-feira, 25 de abril de 2012

"Dieta ocidental" é prejudicial para os transplantes de tecidos fetais no hipocampo

25 Apr 2012 - Os pesquisadores interessados ​​em determinar os efeitos diretos de um alto teor de gordura saturada de colesterol e alto (HFHC) na dieta em tecidos fetais implantados no hipocampo descobriram que em ratos de laboratório de meia-idade, a dieta com HFHC eleva a ativação da microglia e reduz o desenvolvimento neuronal. Enquanto o dano resultante foi devido a uma resposta inflamatória no sistema nervoso central, eles descobriram que os efeitos da dieta HFHC foram aliviados pela interleucina (IL) -1 antagonista do receptor de IL-1Ra, levando-os a concluir que a IL-Ra tem potencial de uso em desordens neurológicas envolvendo neuroinflamação.

Os resultados foram publicados em uma edição recente da Cell Transplantation (20:10), agora disponível gratuitamente on-line.

Para a realização do estudo, os investigadores transplantadas enxertos de hipocampo de embrionária 18 dias de idade os ratos para as câmaras anterior do olho de 16 meses animais hospedeiros de idade que foram subsequentemente alimentados quer um normal de rato dieta padrão ou uma dieta HFHC durante oito semanas.

"Nós levantamos a hipótese de que os danos a partir da dieta HFHC é devido, pelo menos em parte, a uma resposta inflamatória periférica que conduz a uma resposta inflamatória no sistema nervoso central," disse o autor do estudo correspondente Dr. Linnea Freeman, da Universidade de Medicina da Departamento da Carolina do Sul of Neuroscience. "Também a hipótese de que a droga Kineret ®, um tratamento comum para a artrite reumatóide com base na IL-1Ra, um antagonista IL-1 do receptor, pode bloquear o processo inflamatório."

Os investigadores notaram que o transplante intracraniano de neurônios fetais, ou linhas celulares de engenharia, tem sido proposto como um tratamento potencial para doenças neurodegenerativas, tais como a doença de Alzheimer e doença de Parkinson. No entanto, a qualidade da sobrevivência do enxerto no cérebro envelhecido foi questionada. (segue..., em inglês) Fonte: Medi Lexicon.

Especialistas alertam sobre o perigo de golpes na cabeça em lutas como o boxe

Apesar de não haver comprovação da ligação de doenças como o Alzheimer e o mal de Parkinson com o boxe, médicos dizem que golpes na cabeça podem servir como catalizadores dos distúrbios

ou futebol...
23/04/2012 - Dois famosos ex-boxeadores, um em nível nacional e outro conhecido em todo o globo, estão doentes. O brasileiro Adílson Rodrigues, o Maguila, foi diagnosticado com Alzheimer no ano passado e o norte-americano Muhammad Ali, considerado o maior lutador de todos os tempos, sofre do mal de Parkinson desde 1984. Ainda que diferentes, as duas enfermidades têm origem neurológica. Por isso, é rápida a associação de que os distúrbios sejam frutos das carreiras dos atletas, repletas, durante anos, de pancadas na cabeça.

No boxe, como nas artes marciais mistas — o MMA —, uma das formas mais rápidas e certeiras de definir um duelo é acertando o rosto do oponente. Quem é atingido na região por um golpe mais contundente costuma perder o equilíbrio e não raro os atletas encerram a luta desmaiados. 

Se a rotina de golpes na cabeça é encarada de forma normal entre os atletas, no meio científico existe até um nome para o mal que pode acometer lutadores: Parkinsonismo pugilístico ou demência pugilística. ... e os dois no ano passado. Ali tem Parkinson e Frazier desenvolveu problemas neurológicos.

Apesar de fazer referência ao Parkinson e apresentar algumas semelhanças nos sintomas, a doença do boxe é outra. “Ela é fruto dos traumas repetitivos decorrentes da luta, mas, a rigor, não é igual ao já conhecido mal de Parkinson”, explica Joaquim Brasil, médico neurologista e professor da Universidade de Brasília (UnB). “São destruídos os mesmos neurônios, o quadro é igual, mas não é uma causa genética, e sim que aparece por causa das lesões”, aponta.

Grandes atletas, como o boxeador norte-americano Joe Frazier, desenvolveram o Parkinsonismo pugilístico. No entanto, o médico de Muhammad Ali, Ferdie Pacheco, defende, em um de seus livros, que a enfermidade de seu paciente é, de fato, o verdadeiro Parkinson e que não há qualquer ligação com os ringues.

A teoria não é unânime entre os especialistas. “No caso da pessoa que está com todos os sinais e que tenha lutado, certamente foi por causa da luta. E olha que o Ali não levou tantos golpes, porque ele realmente era muito bom. Mas acredito que exista, sim, alguma associação”, aponta Joaquim Brasil.

Quanto ao Alzheimer, os estudiosos dizem que, apesar da quantidade de pancadas levadas ao longo da carreira, não existem estudos que comprovem a perda da saúde mental como consequência do esporte. “Não há nenhuma evidência na literatura médica que possa justificar o surgimento da doença com as agressões. São dois casos pontuais”, defende Bernardino Santi, médico especialista na área esportiva, que atende a Confederação Brasileira de Boxe.

Outro argumento de Santi é que, nos últimos 25 anos, apenas o caso de Maguila foi relatado entre os superpesados — categoria que mais tende a apresentar traumas na cabeça, já que é a mais forte da modalidade. “Eventualmente, a luta pode ter sido um fator desencadeante. Mas, certamente, a predisposição genética do lutador terá sido determinante”, ressalta.

Palavra do especialista
“Em uma sociedade saudável psicologicamente, é difícil entender o fato de as pessoas estarem se expondo a riscos médicos só para dar prazer à torcida. Isso é uma coisa que não tem muito sentido no olhar médico. Mas, dentro de um contexto maior, envolve fatores muito mais dominantes. Muitas vezes, esses esportes estruturam a vida de pessoas que estão vivendo dele e são oportunidades de ascensão social.” Charles André, médico do Departamento de Doenças Cérebro-Vasculares a Academia Brasileira de Neurologia 

Outros perigos das pancadas
O fato de não haver evidências científicas quanto ao surgimento do Alzheimer e do mal de Parkinson entre a maioria dos pugilistas, e sim distúrbios com sintomas semelhantes, não minimiza a preocupação dos médicos. Ainda que essas doenças nos lutadores não sejam comprovadas, as pancadas na cabeça podem causar outros sérios riscos aos atletas.

“Qualquer choque na cabeça causa problemas. O cérebro é um tecido mole que está localizado dentro de uma caixa craniana. Há um grande potencial de trauma se o cérebro bater nesse escudo”, explica Bernardino Santi, que reconhece as consequências da modalidade. Mas ele ameniza. “Isso acontece em qualquer esporte de contato, como o futebol americano e o rúgbi. Além disso, o boxe não atinge a cabeça e, sim, o rosto dos atletas”, diz.

O médico Charles André, membro do Departamento de Doenças Cérebro-Vasculares da Academia Brasileira de Neurologia, alerta que, se o atleta chegar à inconsciência, ele deverá ser avaliado por um especialista com urgência. “Podem ocorrer contusões, hemorragias e demais traumas em que a cirurgia chega a ser necessária. Se não for feita, pode levar ao coma e, eventualmente, à morte”, avisa o neurologista. “E esses problemas podem aparecer no mesmo dia ou até em semanas ou meses. Para mim, uma consequência dessas é tão ou mais preocupante do que os possíveis distúrbios a longo prazo”, opina. 

Cuidado com os sintomas
Os lutadores que costumam ser golpeados na cabeça precisam observar alguns sinais do corpo. De acordo com o médico neurologista Joaquim Brasil, sintomas como aumento da pressão na cabeça, sonolência, náuseas e vômito devem receber atenção especial dos atletas imediatamente. Fonte: Super Esportes.

Expectativa de vida de homens pode alcançar a de mulheres até 2030

Segundo pesquisa, causas estariam ligadas a melhoras nas condições de saúde dos homens, que tradicionalmente viviam menos.
23 de abril de 2012 | A expectativa de vida dos homens deve alcançar a das mulheres até 2030, segundo um pesquisador do Escritório Nacional de Estatísticas Nacionais, da Grã-Bretanha.

De acordo com o pesquisador Les Mayhew, a expectativa de vida de ambos os sexos está crescendo, mas o índice dos homens está crescendo a um ritmo mais acelerado. (segue...) Fonte: O Estado de S.Paulo.